}

pesquise aqui

24 de mai de 2011

Lilian

Lilian me amou tanto que eu sentia medo dela.
Começamos com uma brincadeira inofensiva, um beijo roubado, um sexo casual, uma combinação mútua e aberta sobre não envolvimento.
Mas ela se envolveu. E não tava no script mas aconteceu.
Quem pode ter controle sobre isso, afinal?
Lilian era bonita, rica, culta, quase uma perfeição.
Eu sou um vira-latas, sem berço, sem estirpe, beberrão e cafajeste. Big mistake, Lilian.
Eu gostaria de ter me apaixonado por ela. Gostaria de vê-la entrar no meu mundo e se lambuzar de mocotó mineiro. Mas não deu.
E quanto mais ela me amava, menos eu tolerava esse amor.
Seus olhos negros grudados em mim enquanto eu dormia, me assustavam. Seu jeito delicado de dobrar a roupa de cama da minha cama me deixava levemente irritado. Como eu poderia ser capaz de rejeitar amor e dedicação?
Minha homenagem à Lilian. Ela quebrou as regras e eu a culpei. Mas quem sou eu afinal para levantar bandeira de regras?
Foi isso que ela me perguntou antes de ir.
E ela tinha toda razão.

2 comentários:

  1. Nada como o tempo pra gente entender que amor sem reciprocidade é vazio demais pra sobreviver...
    A gente te espera pro batizado, viu? Beijo.

    ResponderExcluir
  2. Lilian querida!! Vc me lendo só me orgulha, viu?Pode preparar aquele barril de chope que eu tô chegando!! O tempo é sempre nosso melhor amigo, né?

    ResponderExcluir